Classe média coloca em prática ajuste fiscal

30/06/2015
 |   

O ataque do dragão, que deve elevar a inflação a mais de 8% em 2015, está fazendo o brasileiro, do mais jovem ao mais velho, abrir mão de alimentos no supermercado. Entre os lácteos, o leite longa vida é o herói que resiste no carrinho. A marca de preferência é, muitas vezes, trocada pela da promoção, mas o alimento não deixou de ser consumido. Já o iogurte, que ganhou destaque nos últimos anos, segundo dados da consultoria Nielsen, especializada em pesquisas de mercado está puxando a desaceleração das vendas dos derivados do leite.

 

Pesquisa que mede os volumes comercializados entre dezembro de 2014 e fevereiro último, na comparação com o mesmo período dos anos anteriores, mostra que Magda Fonseca adotou a estratégia de trocar marcas e reduziu o consumo Após alta, Levy descansa antes de viajar as vendas do leite longa vida, que gravitavam em aumento de 1%, passaram a crescer 5,6% no país. Já o comércio do leite com sabor, que foge da categoria dos essenciais, não só deixou de crescer como despencou 2,3%. O movimento é uma espécie de termômetro do novo modelo de consumo do brasileiro, que, mais rápido do que o governo mostra, já colocou em prática o ajuste fiscal.

 

Os iogurtes puxaram a perda de dinamismo do segmento lácteo. No período, o brasileiro comprou menos o produto e o ritmo de crescimento nas vendas desacelerou de 5% para 2%; no caso do leite fermentado, desceu de 12,3% para 3,5%, e dos petit suisses, de 11,5% para 6%. Personagem de destaque na redução de consumo, a classe média está deixando de levar para casa alimentos que nos últimos anos abrigou em sua cesta. Esse é o caso da estudante Ana Luiza Soares, de 19 anos. Ela diz que, apesar de gostar bastante dos leites fermentados, deixou de consumi­los. “Acho muito caro”, justifica. Outra coisa que Ana Luiza reduziu foi o requeijão cremoso, pela mesma razão.

 

Os aposentados Ana Carolina Campos, 78, e José Alexandre da Silva, 89, vão com frequência ao supermercado e também fizeram suas adequações. Estão pesquisando preços, trocaram a marca do leite e reduziram o consumo de queijos e iogurtes. Segundo eles, o ajuste faz parte da matemática para que as despesas caibam dentro da renda da aposentadoria. “Só estamos comprando de vez em quando”, conta Ana Carolina.

“A classe média saiu da fase de reclamar da crise, passou a resolver o problema e tem adotado suas próprias estratégias: pesquisa mais os preços dos produtos, opta por marcas mais baratas, faz compra na rede atacadista com amigos e economiza em itens supérfluos, como iogurtes, embutidos, refrigerantes e sucos. Na prática, está fazendo o ajuste fiscal dentro de casa”, defende Renato Meirelles, presidente do instituto de pesquisa Data Popular, que desenvolve pesquisas sobre a classe C. Estudo recente do instituto mostra que 92% dos brasileiros da classe C têm feito mais economia, 81% estão comparando mais os preços e 62% já procuram novas marcas.

 

Rafael de Lima Filho, analista da Scot Consultoria, especializada no agronegócio, diz que o consumo do leite continua firme entre as famílias brasileiras, mas a indústria já sente a desaceleração do dos derivados, como iogurtes, requeijão e queijos. Segundo o especialista, o país tem espaço para aumentar as vendas da matéria­prima. “A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) aponta que o consumo médio no país é de 175 litros por habitante/ano, enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) indica 210 litros por habitante/ano.”

 

Mãe de cinco filhos e seis netos, Magda de Paula Fonseca, 50 anos, não diminuiu o consumo de leite em casa, apenas trocou de marcas. Já os derivados, como o iogurte que estava na geladeira todos os fins de semana, se tornaram figuras mais raras. “Agora, só de vez em quando, ou quando os netos pedem. Para crianças, a gente não nega um pedido”, diz a vovó que está dando um drible no dragão.

 

Data da Publicação: 29/06/15

Fonte: Terra Viva

http://www.terraviva.com.br/Clique2015/2906cons.pdf

 

Novo comentário:

Por favor, digite a sequência de caracteres da imagem acima para validar o envio do formulário.

Voltar